Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Samantha Em Chamas

Fogos e desafogos de uma viajante arco-íris que arde pelo mundo.

A loucura da hipocrisia

No ano que passei em Espanha, trabalhei numa associação para pessoas com algum tipo de doença ou distúrbio mental. A maioria estava diagnosticada com esquizofrenia mas outros diagnósticos também se passeavam por lá. Uma cambada de loucos, por assim dizer. 

No meio de tanta arte e coisas boas e humanas que fazíamos por lá, a merda da hipocrisia e das aparências de vez em quando dava sinais de vida. De vez em quando a directora e as outras pessoas que geriam a fundação atrás de secretárias transformavam o centro de dia, o local onde trabalhávamos, numa espécie de jardim zoológico elitista. Nessas alturas vinham as mais variadas pessoas de fato e gravata, entre outras fatiotas janotas, "visitar-nos": mas não era bem uma visita, era mais uma ocupação de espaço para uma festa de sorriso falsos e de falsa preocupação médica pelos alienados. Não se falava com os loucos nem com as loucas mas falava-se da importância de arranjar fundos para apoiar a loucura... de ser imbecil num patamar social, só podia. Se em todos os outros dias os pacientes comiam comida de merda e quase sempre a mesma todos os dias (abençoadas lentilhas), nessas alturas continuavam a comer comida de merda... mas mais tarde, para que os pijos (insulto espanhol para gente ricaça com a mania) não vissem essa desgraça! Que horror! 

 

Há um par de semanas li «O Alienista» de Machado de Assis. Sem entrar em muitos detalhes para evitar estragar a história, a loucura e a sanidade são os temas centrais e bailam numa linha ténue que atravessa os comportamentos humanos e os relacionamentos sociais. É um livro maravilhoso com um tom humorístico que se lê bem num dia ou dois e, por isso, deixo a sugestão. 

Enquanto estava a ler o livro as memórias transportaram-me para vários momentos que vivi em Espanha. Uns mais trágicos, outros mais engraçados. A reflexão sobre o que pode ser considerado (ou não!) loucura depressa fez surgir uma memória muito específica:

O Manu, esquizofrénico, a abanar a cabeça no meio de todo aquele circo de pijos hipócritas e a dizer (em espanhol)

"Isto é de loucos!"

 

E era mesmo. Mas a hipocrisia não se medica. 

 

d08361024b886fde56857fe49658a1c0.jpg

 (Imagem daqui. Não é um original da Mafaldinha mas é algo que ela diria. E eu também.)

9 comentários

Comentar post