Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Samantha Em Chamas

Fogos e desafogos de uma viajante arco-íris que arde pelo mundo.

Os pássaros de Gjøvik

Os únicos sinais de vida eram os triângulos negros lá em cima. Saíam das árvores e voavam em grupo mas a sós com as suas asas. Eu não voava. O meu coração nem sequer batia então como é que poderia sequer voar? Gjøvik parecia um cenário de um filme distópico onde o vazio se sente a cada frame frio da cor da solidão: nem é azul nem branco nem cinzento, são todas essas cores num tom triste onde só se inala o vácuo irrespirável. 

Mas os pássaros de Gjøvik lá existiam e continuavam a voar. Iam em círculos e em bando como uma banda de hits ridículos que compõe a banda sonora de um pós-apocalipse. Um eclipse de vida: eram os pássaros de Gjøvik.

 

IMG_20180116_202528_034.jpg

 

(Foto tirada por mim na minha passagem por Gjøvik, Noruega, em Dezembro de 2017)

 

Estarei em mim onde estou?

Neste momento estarei na Noruega (abençoado agendamento de publicações). Se estou a divertir-me ou a morrer de aborrecimento ou tristemente frustrada, não sei. Se terei aventuras e histórias para contar ou desabafos e reflexões para desafogar também nao sei. Viajar é dar lugar ao imprevisível por mais planos que se façam e, sinceramente, não fiz quase nenhuns. Tenho os meus receios que poderão concretizar-se ou não. Eu sei, a Noruega é considerado um país super seguro. Os meus medos nunca são geográficos ou criminais, são mentais e emocionais. Estou habituada a viajar sozinha, o que não é o caso desta viagem, não sou uma pessoa lá muito sociável e a nível pessoal há arestas que tenho a limar com algumas pessoas na minha vida. Deve ser como trabalhar com a família: ou corre muito bem ou mal e as consequências, boas ou más, são maioritariamente pessoais. Mas, enfim, apesar dos receios para lá vou com quem vou porque o maior erro que uma pessoa pode cometer ao viajar é, efectivamente, não viajar. Portanto não sei como estarei neste momento, apenas que estarei na Noruega. Como estou eu saberei lá onde neste momento estou.

As últimas viagens

Abomino a ideia da última viagem, a não ser que por última me refira à última que fiz antes da próxima que irei fazer. Se penso em última como algo final, até me dói a alma e o avião.

[Quando pensava que a viagem à Irlanda tinha sido a última viagem deste ano e nos próximos tempos, eis que vou arder para o Porto dentro de uns dias e uns dias depois para a Noruega. Só espero que não sejam as últimas.]